domingo, 25 de dezembro de 2005

Mas que bela gripe que eu tive!


Ter uma gripe é do melhor que há.
Esta minha gripe fez-me estar de cama cerca de uma semana. Depois fiquei com tosse, como é normal. E vi, espantada, como todos temem tanto alguém com tosse!
Parece que iriam ficar com alguma doença fatal. Nem sabia como cumprimentar alguém. Passei a desculpar-me com os restos da gripe e o pseudo-perigo de contágio para não tocar em ninguém.
Aprendi muito com esta doença amiga. Foi desencadeada por uma sopa de tomate que comi em casa de uma amiga muito atenta e querida, porém que ainda não atinou bem com a minha dieta. Por isto aprendi muito também sobre a degeneração actual dos tomates, marados de transgénicos e não só, que inundam o mercado. Mais uma razão para estar grata a esta bela gripe.
A gripe é do mais saúdável que há como doença!
Ajusta-nos à novidade constante neste mundo composto de mudança. Dá-nos tempo para nos adaptarmos ao novo macrocosmos. Desintoxica-nos. Liberta-nos do passado. Prepara-nos para o futuro.
E não dá trabalho nenhum: basta quase não comer e ficarmos de cama. Fazendo só o que nos apetece: taparmo-nos ou destaparmo-nos conforme o frio ou calor que sentimos. Dormir e acordar conforme o corpo nos pede.
O estar sempre atentos ao que o corpo nos pede, na sua sabedoria. Demasiadas vezes ignorada.
Claro que eu poderia ter tomado uma daquelas mezinhas naturais que "curam as gripes"; mas não "curtiria este tempo de crise" além de que me arriscava a ficar com o meu microcosmos privado desfazado do macrocosmos de todos nós.
Claro que fiquei fraca durante uns dias. Só comi arrroz com ameixa umeboshi, quando me apeteceu. E apeteceu pouco.
No primeiro dia em que me levantei nem saí de casa. No seguinte fiquei a arfar só de ter atravessado a rua. Mas depois ainda consegui fazer uma volta pelo bairro. No terceiro já fiz muito muita coisa na rua.
E aqui estou eu preparada para este Inverno.
Esperando ter outra bela gripe na Primavera para me preparar para o Verão.

5 comentários:

Adryka disse...

Mas amiga que mania de ter doenças nestas altura.Um grande beijinho e votos de boas festasas.

Maria Afonso Sancho disse...

Adryka
As doenças vêm sempre na altura certa: quando estamos a precisar delas para nos harmonizarmos com o nosso eu interior. ;-)

risocordetejo disse...

OLá Maria, espero que esteja melhor, está, certamente, que é mulher sabedora dos processos do corpo. Para si, agora já sem espirros, um maravilhoso solstício, um suave renascer para o novo ano que aí vem sob a regência do oito das infinitas possibilidades. Aguardemos e acolhamos com confiança este menino que aí vem!
Um grande abraço
R

Adryka disse...

Olá minha querida, venho deixar-te um grande abraço e desejar-te um óptimo 2006. Beijinhos

Adryka disse...

Então amiga ainda não passou a gripe ;) tu tem cuidado , fazes falta a tua escrita a nima a gente anda lá faz uma forcita e diz como vai a tua temperatura. Beijinhos amiga e fica boa depressa