domingo, 8 de outubro de 2006

Racionais nós? Se nem amamentamos as nossas crias.

Paz, Felicidade e Amor
Para pensarmos mais e melhor sobre certos comportamentos, ditos, racionais:
http://www.mulheresdepeito.blogger.com.br/
http://www.portaljunior.com/journal.php?m=display&u=647

8 comentários:

Anónimo disse...

"Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas
e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor?

O certo seria a gente não sofrer,
apenas agradecer por termos conhecido
uma pessoa tão bacana,
que gerou em nós um sentimento intenso
e que nos fez companhia por um tempo razoável,
um tempo feliz.

Sofremos por quê?

Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer
pelas nossas projeções irrealizadas,
por todas as cidades que gostaríamos
de ter conhecido ao lado do nosso amor
e não conhecemos,
por todos os filhos que
gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,
por todos os shows e livros e silêncios
que gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados,
pela eternidade.

Sofremos não porque
nosso trabalho é desgastante e paga pouco,
mas por todas as horas livres
que deixamos de ter para ir ao cinema,
para conversar com um amigo,
para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe
é impaciente conosco,
mas por todos os momentos em que
poderíamos estar confidenciando a ela
nossas mais profundas angústias
se ela estivesse interessada
em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu,
mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos,
mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós,
impedindo assim que mil aventuras
nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e
nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido?

A resposta é simples como um verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!!

A cada dia que vivo,
mais me convenço de que o
desperdício da vida
está no amor que não damos,
nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca,
e que, esquivando-se do sofrimento,
perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional".

Carlos Drummond de Andrade

Anónimo disse...

Segundo diversas teorias, o período natural de amamentação para a
espécie humana seria de 2,5 a sete anos. Atualmente, a Organização
Mundial da Saúde recomenda aleitamento materno por dois anos ou mais,
sendo exclusivo nos primeiros seis meses.

Dany disse...

Obrigada pela visita...
E quando vier por essas bandas é só avisar..
Bjusss

dianamãe, rafael e afonso disse...

Agora que encontrei (te) posso ficar?
Sim, agora fiquei intimidada, sim eu... pela nossa diferença de idades.
Na internet habituamos a tratar todos por tu, por mim falo, que sempre com todo o respeito possível.
Mas...
Fiquei intimidada, não assustada!
Talvez porque todas as pessoas que tenham mais de 50 anos, mereçam o meu "você", sou a única neta da minha avó que a trata dessa forma.

Não é porque goste menos dela, é tão sómente por me sinto mais à vontade.

E como aqui me sinto à vontade e não é minha intenção lhe poder falar de alguma forma, ao respeito, agora irei tratá-la por Maria Afonso, pode ser?

(risos)

Obrigada pela prontidão na sua visita!
Gostei muito.

Confesso que se me vir ao espelho não me reconheço, nem muito menso quando sou confrontada com a minha idade, sempre tentei aprender tudo o que a vida me poderia ensinar, sempre tive sede de saber.

Acredito que o conhecimento nunca fez mal a ninguém, e eu gosto de saber um pouco de tudo.
Gosto.

Aquelas que têm a minha idade "física" em quase nada são idênticas a mim, e ainda bem porque somos mesmo todos diferentes.
Uns preocupam-se com umas coisas e outros com outras, mas penso que saber ajudar os inocentes, como crianças vitimas de qualquer abuso, é importante.

Tenho um blog, faz um ano em Dezembro, construi-o num período negro da minha vida, hoje sinto-me muito bem.

Já não é a primeira vez que escrevo sobre, em especial, Pedofilia, e é estranho como os comentários tendem a escassear, mas as visitam aumenta.
Têm medo.
De quê?
De saber?
Não consigo entender, e tenho batalhado para que as mães que me visitam não fechem os olhos à pedofilia.
Que aprendam a "olhar" a "ver" o que realmente estão os seus filhos a fazerem.

Não vou dar por terminada esta minha luta!

Eu já a vi com os meus olhos.

Só quero que cada vez mais pessoas deixem de a ver assim tão de perto.

Até sempre
Jinhos

Anónimo disse...

Dany

Muito obrigada. Vou lembrar e recordar esse belo pais atraves das suas fotos.

Diana
Não se intimide com a minha idade. De qualquer forma desde o meu ultimo aniversário resolvi assumir a minha "imortalidade" e passar a responder sempre um "sou eterna" quando alguém fizer essa pergunta. ;-)
Onde temos o nosso saturno todos nós somos sempre velhos e onde temos a nossa vénus e lua todos nós somos sempre jovens.
Trata-me como te sentires mais confortável.
Eu vivo sempre muito curiosa pelas aventuras que a vida me traz. E acho que vou ficar sempre assim. Pelo menos enquanto o meu veículo físico mo permitir.
A nós liga-nos uma fraternidade de ideais.
bj
Maria

Elise disse...

Bem vinda! Como está? Os seus projectos como correram? Abraço!

dianamãe, rafael e afonso disse...

Maria,

Queria só lhe dizer que eu conheço muito bem as Doulas, é um grande sonho que tenho poder fazer parte da Associação e eu própria me tornar uma Doula.
Infelizmente, não me é possível por outra razão que não a minha grande vontade...

Com grande tristeza minha.

Muito obrigada pelo carinho dado no comentário acima.

Jinhos
Diana

Adryka disse...

É pá isso é de, muito de força dá-lhe mais de mansinho :) .
Beijos e bom fim de semana